Sistema Endócrino

O sistema endócrino é constituído por um grupo de órgãos (algumas vezes referidos como glândulas de secreção interna) cuja função principal é produzir e secretar hormônios diretamente no interior da corrente sangüínea. Os hormônios atuam como mensageiros para coordenar atividades de várias partes do corpo.

Hormônios

Os hormônios são substâncias liberadas na corrente sangüínea por uma glândula ou órgão e que afetam a atividade de células de um outro local. Em sua maioria, os hormônios são proteínas compostas de cadeias de aminoácidos de comprimento variável. Outros são esteróides, substâncias gordurosas derivadas do colesterol. Quantidades muito pequenas de hormônios podem desencadear respostas muito grandes no organismo. Os hormônios ligam-se aos receptores localizados sobre a superfície da célula ou no seu interior. A ligação de um hormônio a um receptor acelera, reduz ou altera a função celular de uma outra maneira. Em última instância, os hormônios controlam a função de órgãos inteiros. Eles controlam o crescimento e o desenvolvimento, a reprodução e as características sexuais.

Eles influenciam a maneira como o organismo utiliza e armazena a energia. Além disso, os hormônios controlam o volume de líquido e as concentrações de sal e de açúcar no sangue. Alguns hormônios afetam somente um ou dois órgãos, enquanto outros afetam todo o organismo. Por exemplo, o hormônio estimulante da tireóide é produzido na hipófise e afeta apenas a tireóide. Em contraste, o hormônio tireoidiano é produzido na tireóide, mas afeta células de todo o organismo. A insulina, produzida pelas células das ilhotas pancreáticas, afeta o metabolismo da glicose, das proteínas e das gorduras em todo o organismo.

Controles Endócrinos

Quando as glândulas endócrinas funcionam mal, as concentrações séricas dos hormônios podem tornar-se anormalmente altas ou baixas, alterando as funções orgânicas. Para controlar as funções endócrinas, a secreção de cada hormônio deve ser regulada dentro de limites precisos.

O organismo precisa detectar a cada momento a necessidade de uma maior ou menor quantidade de um determinado hormônio. O hipotálamo e a hipófise secretam seus hormônios quando detectam que a concentração sérica de um outro hormônio por eles controlado encontra-se muito alta ou muito baixa.

Os hormônios hipofisários então circulam na corrente sangüínea para estimular a atividade de suas glândulas alvo. Quando a concentração sérica do hormônio alvo é a adequada, o hipotálamo e a hipófise deixam de produzir hormônios, uma vez que eles detectam que não há mais necessidade de estimulação. Este sistema de retroalimentação regula todas as glândulas que se encontram sob controle hipofisário.

Glândulas Endócrinas

São componentes do sistema endócrino as Glândulas: Hipotálamo, Hipófise ou Ptuitária, Tireóide, Paratireóide, Supra-Renais ou Adrenais, Pâncreas, Ovários e Testículos.

Hipotálamo

O hipotálamo é uma estrutura que se localiza abaixo do tálamo, na região do diencéfalo, juntamente com o epitálamo e o tálamo. O hipotálamo possui vias de ligação com todos os níveis do sistema límbico. Liga-se ao Sistema Nervoso e ao Sistema Endócrino, controlando a maioria das funções vegetativas, endócrinas, comportamentais e emocionais do corpo.

Representa cerca de 1% da massa total do encéfalo, ou seja, é um órgão muito pequeno, mas de importância indiscutível. Está relacionado com a regulação da temperatura corpórea, apetite, atividade gastrintestinal, regulação hídrica, atividade sexual e emoções.

O hipotálamo está intimamente relacionado com a hipófise no comando das atividades. Ele controla a secreção hipofisária, produz ocitocina e hormônio antidiurético, que são armazenados pela hipófise.

  • I) Regulação cardiovascular: responsável pela modificação da pressão arterial e da freqüência cardíaca. Esses estímulos são conduzidos para a formação reticular da ponte e bulbo;
  • II) Regulação da temperatura: o sangue que passa no hipotálamo determina a temperatura corporal e faz com que o hipotálamo tente regular a temperatura;
  • III) Regulação da hídrica: controla de duas formas, estimulando a sede no indivíduo ou retendo a água na urina. Quando os eletrólitos do hipotálamo se tornam mais concentrados essa área é estimulada;
  • IV) Contração do útero e ejeção do leite: relaciona-se com a produção de ocitocina.
  • V) Regulação gastrointestinal: o hipotálamo possui uma área que é o centro da fome e está relacionada com a ingestão de alimentos e saciedade da fome;

  • VI) Controle sobre a hipófise: o hipotálamo secreta hormônio que atuam como liberadores dos hormônios da hipófise anterior.

Hipófise

A hipófise é dividida em dois lados: o anterior (adenohipófise) e o posterior (neurohipófise).

Hipófise posterior (neurohipófise)

O lado posterior é conectado à parte do cérebro chamada de hipotálamo através do infundíbulo. Os hormônios são feitos nos corpos celulares dos nervos posicionados no hipotálamo, e estes hormônios são então transportados pelos axônios das células nervosas em direção à hipófise posterior.

Os hormônios secretados pela hipófise posterior são

  • Oxitocina que vem do núcleo paraventricular do hipotálamo
  • Hormônio antidiurético (ADH – também conhecido como vasopressina e AVP, arginina vasopressina), que vem do núcleo supraóptico do hipotálamo

Hipófise anterior (Adenohipófise)

O lobo anterior é derivado do ectoderma oral e é composto de epitélio glandular. Através da conexão vascular da hipófise anterior com o hipotálamo, o hipotálamo integra sinais estimulatórios e inibitórios centrais e periféricos para os cinco tipos fenotipicamente distintos de células da hipófise.

Os hormônios da hipófise anterior, e os hormônios hipotalâmicos que modulam (são inibidores ou liberadores) a sua secreção estão listados abaixo, junto com seus tipos celulares associados.

Hormônio da hipófise anterior Hormônio hipotalâmico Corantes (tipo) Tipo de célula
hormônio do crescimento secreção causada pelo GHRH (hormônio liberador de hormônio  do crescimento) acidófilo somatotropo
prolactina secreção INIBIDA pela DA (dopamina, “prolactin inhibiting factor”/PIF) acidófilo lactotropo
hormônio folículo-estimulante secreção causada pelo GnRH (hormônio liberador de gonadotrofina) basófilo gonadotropo
hormônio luteinizante secreção causada pelo GnRH (hormônio liberador de gonadotrofina) basófilo gonadotropo
hormônio estimulante da tireóide secreção causada pelo TRH (hormônio liberador de tireotrofina) basófilo tireotropo
hormônio adrenocorticotrófico secreção causada pelo CRH (hormônio liberador de corticotrofina) basófilo corticotropo
endorfinas - - -

Os hormônios hipotalâmicos viajam até o lobo anterior por um sistema especial de capilares, chamados de vasos portais hipotalâmico-hipofisários.

Também existe uma interação entre os hormônios do hipotálamo, por exemplo, o TRH induz a secreção de prolactina.

Funções

Os hormônios tróficos ou trópicos atuam sobre outras glândulas endócrinas regulando suas secreções. O sistema nervoso central manifesta seu controle sobre a hipófise através do hipotálamo via ligações nervosas ou substâncias parecidas com hormônios conhecidas como fatores de liberação.

Os hormônios tróficos são classificados em:

  • Tireotrópicos: atuam sobre a tireóide.
  • Adrenocorticotrópicos: atuam sobre o córtex da glândula adrenal (supra-renal).
  • Gonadotróficos: atuam sobre as gônadas masculinas e femininas.
  • Somatotróficos: atuam no crescimento, promovendo o alongamento dos ossos e estimulando a síntese de proteínas e o desenvolvimento da massa muscular. Também eleva o consumo de gorduras e inibe a síntese de insulina do pâncreas, aumentando a concentração de glicose no sangue.

Adeno-hipófise

  • Somatotrofina (hormônio do crescimento): atua sobre as cartilagens de crescimento dos ossos; controla parte do metabolismo de gorduras, proteínas e carboidratos.
  • Adrenocorticotrópico (ACTH): estimula a secreção dos hormônios córticosupra-renais.
  • Hormônio folículo-estimulante (FSH): estimula a formação do folículo de Graaf do ovário, dos túbulos seminíferos do testículo e também estimula a espermatogênese.
  • Hormônio luteinizante (LH): regula a produção e liberação de estrogênio, progesterona e de testosterona.
  • Prolactina: estabiliza a secreção do estrogênio e progesterona e estimula a secreção de leite.
  • Tirotrofina: estimula as tiróides e a formação de tiroxina.
  • Mamotroficas: prolactina

Porção intermédia

  • Estimuladora de melanócitos (MSH): regula a distribuição dos pigmentos.

Neuro-hipófise

  • Ocitocina: atua no útero favorecendo as contrações no momento do parto, e em nível mamário facilita a secreção do leite.
  • Vasopressina (ADH): regula a contração dos vasos sangüíneos, regulando a pressão e ação antidiurética sobre os túbulos dos rins.

Tireóide

A tireóide produz a tiroxina, hormônio que controla a velocidade de metabolismo do corpo. Se ocorrer hipertireoidismo, isto é, funcionamento exagerado da tireóide, todo o metabolismo fica acelerado: o coração bate mais rapidamente, a temperatura do corpo fica mais alta que o normal; a pessoa emagrece porque gasta mais energia. Esse quadro favorece o desenvolvimento de doenças cardíacas e vasculares, pois o sangue passa a circular com maior pressão. Pode ocorrer o bócio, ou seja, um “papo” causado pelo crescimento exagerado da tireóide. Também pode aparecer a exoftalmia, isto é, os olhos ficam “saltados”.

Se a tireóide trabalha menos ou produz menor quantidade de tiroxina que o normal, ocorre o hipotireoidismo, e o organismo também se altera: o metabolismo se torna mais lento, algumas regiões do corpo ficam inchadas, o coração bate mais vagarosamente, o sangue circula mais lentamente, a pessoa gasta menos energia, tornando-se mais propensa à obesidade, as respostas físicas e mentais tornam-se mais lentas.

Paratireóide

As glândulas paratiróides ou glândulas paratireóides são dois pares de glândulas endócrinas que se situam atrás ou embebidas na glândula tiróide. Elas produzem paratormona/paratormônio (PTH), a hormona principal da regulação da concentração de cálcio no sangue. Em casos raros as glândulas paratireóides estão localizados dentro da glândula tireóide. Mais freqüentemente existem quatro glândulas paratireóides, mas algumas pessoas tem seis ou até mesmo oito.

Supra-Renal ou Adrenal

As supra-renais, também conhecidas com adrenais, são duas glândulas, que como diz o nome, localizam-se em cima dos rins.

As adrenais exercem importantes funções no organismo através da produção dos seus hormônios.

Os principais são:

- Cortisol: É o chamado hormônio do estresse ( estresse físico, que ocorre em cirurgias, infecções, traumas etc..). Uma das suas principais ações é garantir glicose (açúcar = energia) para as células, seja antagonizando a insulina ou estimulando a transformação de gorduras e proteínas em glicose. Também age modulando nosso sistema imune (sistema de defesa contra infecções). É o hormônio que prepara nosso corpo para lutar contra estresses.

- Adrogênios e estrogênios : São respectivamente os hormônios masculinos e femininos.

- Aldosterona: Age no rim controlando os níveis de sódio e potássio na urina e no sangue. É um dos principais hormônios no controle da pressão arterial.

- Adrenalina: É mais um hormônio do estresse. É chamado o hormônio de fuga ou luta (flight or fight em inglês). Quando liberado promove aumento da frequência cardíaca, da pressão arterial, do aporte de sangue para os músculos, aumenta a glicose disponível para as células e dilata as pupilas. Se o cortisol prepara o corpo para aguentar o estresse, a adrenalina promove os meios para o corpo atacar ou fugir do mesmo.

Bom, sabendo para que serve a supra-renal e o que seus hormônios promovem, fica fácil entender alguns sintomas da insuficiência adrenal.

  • Hipotensão e choque circulatório;
  • Distúrbios do potássio e do sódio;
  • Hipoglicemia (baixa de açúcar no sangue);
  • Alterações dos hormônios sexuais;
  • Astenia crônica;
  • Anorexia (perda de apetite).

Pâncreas

O pâncreas é uma glândula do sistema digestivo e endócrino (dos animais vertebrados). Ele é tanto exócrino (secretando suco pancreático que contém enzimas digestivas) quanto endócrino (produzindo muitos hormônios importantes, como a insulina, glucagon e somatostatina).

O pâncreas endócrino é composto de aglomerações de células especiais denominadas ilhotas de Langerhans. O “cansaço” crónico destas células leva ao aparecimento da diabetes no pâncreas.

Existem quatro tipos de células nas ilhotas de Langerhans. Elas são relativamentes difíceis de se distinguir ao usar técnicas normais para corar o tecido, mas elas podem ser classificadas de acordo com sua secreção:

Nome das células Produto % das células da ilhota Função
células beta Insulina e Amilina 50-80% reduz a taxa de açúcar no sangue
células alfa Glucagon 15-20% aumenta a taxa de açúcar no sangue
células delta Somatostatina 3-10% inibe o pâncreas endócrino
células PP Polipeptídeo pancreático 1% inibe o pâncreas exócrino

Ovários e Testíulos

A reprodução humana normal envolve a interação entre vários hormônios e órgãos, a qual é controlada pelo hipotálamo, uma área do cérebro. Tanto nas mulheres como nos homens, o hipotálamo secreta hormônios, denominados fatores de liberação, que chegam à hipófise, uma glândula do tamanho de uma ervilha localizada logo abaixo do hipotálamo. Esses hormônios estimulam a hipófise a liberar outros hormônios.

Por exemplo, o hormônio liberador de gonadotropina (um fator de liberação secretado pelo hipotálamo) estimula a hipófise a secretar o hormônio luteinizante e o hormônio folículo-estimulante. Estes hormônios estimulam a maturação das glândulas reprodutivas e a liberação de hormônios sexuais. Nas mulheres, os ovários liberam estrogênios, e, nos homens, os testículos liberam androgênios (p.ex., testosterona).

Os hormônios sexuais também são produzidos pelas glândulas adrenais, localizadas sobre os rins. Os padrões de secreção e as conseqüentes concentrações séricas dos hormônios sexuais determinam a estimulação ou a inibição da liberação do hormônio luteinizante e do hormônio folículoestimulante pela hipófise.

Por exemplo, uma diminuição das concentrações dos hormônios sexuais estimula a hipófise a liberar maiores quantidades de ambos os hormônios, um mecanismo de controle de retroalimentação negativa. Praticamente todos os hormônios são liberados em episódios breves (pulsos) a cada1 a 3 horas. Conseqüentemente, as concentrações hormonais no sangue oscilam.


Puberdade

Ao nascimento, as concentrações dos hormônios luteinizante e folículo-estimulante são altas, mas elas diminuem em poucos meses e mantêm-se baixas até a puberdade. No início da puberdade, a concentração desses hormônios aumenta, estimulando a produção dos hormônios sexuais. Nas adolescentes, o aumento da concentração desses hormônios estimula a maturação das mamas, dos ovários, do útero, e da vagina, o início da menstruação e o desenvolvimento das características sexuais secundárias (p.ex., pêlos pubianos e axilares).

Nos adolescentes, os testículos, a próstata, as vesículas seminais e o pênis amadurecem e ocorre crescimento dos pêlos faciais, pubianos e axilares. Normalmente, essas mudanças ocorrem em seqüência durante a puberdade, resultando na maturidade sexual. Nas adolescentes, a primeira alteração da puberdade é comumente o aumento das mamas (elas começam a se desenvolver), seguido de imediato pelo crescimento dos pêlos pubianos e axilares.

O intervalo entre o aumento das mamas e a primeira menstruação geralmente é de aproximadamente 2 anos. A forma do corpo da adolescente muda e a porcentagem de gordura corpórea aumenta. O estirão de crescimento que acompanha a puberdade geralmente inicia antes mesmo do desenvolvimento das mamas. O crescimento é relativamente mais rápido no início da puberdade, antes do início da menstruação. A seguir, o crescimento reduz consideravelmente; cessando geralmente entre os 14 e 16 anos.

Em contraste, os adolescentes crescem mais rapidamente entre os 13 e 17 anos, e podem continuar a crescer até um pouco depois dos 20 anos. A idade do início da puberdade parece ser influenciada pela estado geral de saúde e de nutrição da criança, bem como por fatores sócio-econômicos e hereditários. Na Europa Ocidental, a idade média na qual a menina apresenta a primeira menstruação reduziu 4 meses por década entre 1850 e 1950, mas deixou de diminuir nas últimas quatro décadas.

As meninas com obesidade moderada tendem a menstruar mais cedo e aquelas com peso muito abaixo da média e desnutridas tendem a menstruar mais tarde. A menstruação também começa mais precocemente entre as meninas que vivem em áreas urbanas e aquelas cujas mães começaram a menstruar mais cedo.


Ciclo Menstrual

A menstruação, o descolamento do endométrio (revestimento do útero) acompanhado por sangramento, ocorre em ciclos aproximadamente mensais, exceto quando a mulher está grávida. Ele marca os anos reprodutivos da vida da mulher, o qual estende-se da menarca (primeira menstruação) que ocorre na puberdade até a menopausa (cessação da menstruação).

Por definição, o primeiro dia de sangramento é considerado o início de cada ciclo menstrual (dia 1), o qual termina um pouco antes do menstruação seguinte. Os ciclos menstruais variam entre 21 a 40 dias. Apenas 10 a 15% dos ciclos são de exatamente 28 dias. Os intervalos entre os períodos são geralmente mais longos nos anos imediatamente posteriores à menarca e anteriores à menopausa. O ciclo menstrual pode ser dividido em três fases: folicular, ovulatória e lútea.

A fase folicular, a qual varia em duração, estende- se desde o primeiro dia de sangramento até imediatamente antes da rápida elevação da concentração do hormônio luteinizante, a qual acarreta a ovulação (liberação do óvulo). Esta fase foi assim denominada porque os folículos de ovários ovários encontram-se em processo de desenvolvimento. Durante a primeira metade da fase, a hipófise aumenta discretamente a secreção de hormônio folículo-estimulante, estimulando o crescimento de 3 a 30 folículos, cada um contendo um óvulo. Apenas um desses folículos continua a crescer.

Os outros folículos estimulados degeneram. A fase folicular torna-se mais curta no final dos anos reprodutivos, próximo à menopausa. Na menstruação, parte do endométrio desprende- se em resposta a uma redução das concentrações de estrogênio e progesterona. O endométrio é constituído por 3 camadas. A camada superior (superficial) e a maior parte da camada média (intermediária) desprendem. A camada inferior (basal) permanece e produz novas células para reconstruir as outras duas camadas. O sangramento menstrual dura 3 a 7 dias, com uma média de 5 dias.

A perda sangüínea varia de 14 a 280 gramas, com uma média de 128 gramas. Dependendo do tipo, um absorvente íntimo ou um tampão pode absorver até 29 gramas. Geralmente, o sangue menstrual não coagula, exceto quando o sangramento é muito intenso. A fase ovulatória, durante a qual o óvulo é liberado, começa com uma rápida elevação da concentração do hormônio luteinizante. Em geral o óvulo é liberado 16 a 32 horas após o início da elevação da concentração do hormônio luteinizante.

O único folículo que está crescendo protrui na superfície do ovário, rompe e libera o óvulo. Em torno do momento da ovulação, algumas mulheres sentem uma dor surda em um dos lados da região abdominal inferior, denominada mittelschmerz (dor do meio), a qual pode durar alguns minutos ou algumas horas. Embora a dor seja sentida no mesmo lado do ovário que liberou o óvulo, a sua causa exata é desconhecida. A dor pode preceder ou suceder a ruptura do folículo e pode não ocorrer em todos os ciclos. A liberação do óvulo não alterna entre os dois ovários e parece ser aleatória.

Quantos Óvulos?
Uma recém-nascida nasce com óvulos (oócitos) já presentes em seus ovários. Quando o feto está com 20 a 24 semanas de idade, os seus ovários contêm entre 7 e 20 milhões de ovos, que se incorporam aos folículos (cavidades cheias de líquido, cada uma contendo um óvulo alojado em sua parede). Enquanto os folículos se formam, a maioria dos óvulos atrofia gradualmente e permanecem aproximadamente 2 milhões deles no momento do nascimento. Após o nascimento, não há formação de óvulos novos. No início da menstruação, existem aproximadamente 400.000 óvulos, uma quantidade mais que suficiene para todo o período de vida fértil. Apenas aproximadamente 400 óvulos são liberados durante a vida reprodutiva de uma mulher, geralmente um em cada ciclo menstrual. Até ser liberado, o óvulo permanece inativo em seu folículo e suspenso em meio a uma divisão celular, o que o torna uma das células de vida mais longa do organismo. Como o ovo inativo não pode realizar os processos usuais de reparação celular, a possibilidade de lesão aumenta à medida que a mulher envelhece. Conseqüentemente, uma anomalia cromossômica ou genética é mais provável quando a mulher engravida numa idade avançada.

Quando um ovário é removido, o ovário remanescente libera um óvulo por mês. A fase lútea ocorre após a ovulação. Esta fase dura aproximadamente 14 dias, exceto quando ocorre a fertilização, e termina imediatamente antes da menstruação. Na fase lútea, o folículo roto fecha após haver liberado o óvulo e forma um corpo lúteo que secreta quantidades crescentes de progesterona.

A progesterona faz com que a temperatura corpórea aumente discretamente durante a fase lútea e que ela permaneça elevada até o início da menstruação. Essa elevação da temperatura pode ser utilizada para se estimar se a ovulação ocorreu. O corpo lúteo degenera após 14 dias e um novo ciclo menstrual tem início, exceto quando o óvulo é fertilizado.

Alterações Durante o Ciclo Menstrual

O ciclo menstrual é regulado pela interação complexa entre os hormônios da hipófise (hormônio luteinizante e hormônio folículoestimulante) e os hormônios sexuais ovarianos (estradiol e progesterona).O ciclo menstrual inicia com a fase folicular. As concentrações baixas de estradiol (um estrogênio) e de progesterona no início desta fase causam a degeneração e o descolamento do endométrio (revestimento uterino) na menstruação, o que marca o primeiro dia do ciclo menstrual.Durante a primeira metade desta fase, a concentração de hormônio folículo-estimulante aumenta discretamente, estimulando o desenvolvimento de vários folículos, cada um contendo um óvulo. Apenas um folículo continua a desenvolver. Durante a última parte desta fase, a concentração de estradiol secretado pelos ovários aumenta, estimulando o início do espessamento do revestimento uterino.

Um aumento rápido das concentrações dos hormônios luteinizante e folículo-estimulante dá início à fase ovulatória. A ovulação (liberação do óvulo) geralmente ocorre 16 a 32 horas após o início do aumento da concentração hormonal. A concentração de estradiol atinge um ponto máximo e a de progesterona começa a aumentar.

Durante a fase lútea, ocorre uma redução das concentrações dos hormônios luteinizante e folículo-estimulante. O folículo roto fecha após haver liberado o óvulo e forma o corpo lúteo, o qual secreta progesterona. A progesterona e o estradiol provocam o espessamento do endométrio. Quando o óvulo não é fertilizado, o corpo lúteo degenera e deixa de secretar progesterona, a concentração de estradiol diminui e tem início um novo ciclo menstrual.

Quando isto ocorre, o corpo lúteo começa a produzir gonadotropina coriônica humana. humana. Este hormônio mantém o corpo lúteo, o qual produz progesterona, até o feto em desenvolvimento ser capaz de produzir seus próprios hormônios.

Resumo dos Principais Hormônios

Hormônio Onde é Produzido Função
Aldosterona
Adrenais
Ajuda na regulação do equilíbrio do sal e da água através de sua retenção e da excreção do potássio
Hormônio antidiurético (vasopressina)
Hipófise
Faz com que os rins retenham água e, juntamente com aldosterona, ajuda no controle da pressão arterial
Corticosteróide
Adrenais
Produz efeitos disseminados por todo o organismo; em especial, tem uma ação antiinflamatória; mantém a concentração sérica de açúcar, a pressão arterial e a força muscular; auxilia no controle do equilíbrio do sal e da água
Corticotropina
Hipófise
Controla a produção e a secreção de hormônios do córtex adrenal
Eritropoietina
Rins
Estimula a produção de eritrócitos
Estrogênios
Ovários
Controla o desenvolvimento das características sexuais e do sistema reprodutivo femininos
Glucagon
Pâncreas
Aumenta a concentração sérica de açúcar
Hormônio do crescimento
Hipófise
Controla o crescimento e o desenvolvimento; promove a produção de proteínas
Insulina
Pâncreas
Reduz a concentração sérica de açúcar; afeta o metabolismo da glicose, das proteínas e das gorduras em todo corpo
Hormônio luteinizante e hormônio folículoestimulante
Hipófise
Controlam as funções reprodutoras, como a produção de espermatozóides e de sêmen, a maturação dos óvulos e os ciclos menstruais; controlam as características sexuais masculinas e femininas (p.ex., a distribuição dos pêlos, a formação dos músculos, a textura e a espessura da pele, a voz e, talvez, os traços da personalidade)
Ocitocina
Hipófise
Produz contração da musculatura uterina e dos condutos das glândulas mamárias
Paratormônio (hormônio paratireoídeo)
Paratireóides
Controla a formação óssea e a excreção do cálcio e do fósforo
Progesterona
Ovários
Prepara o revestimento do útero para a implantação de um ovo fertilizado e prepara as glândulas mamárias para a secreção de leite
Prolactina
Hipófise
Inicia e mantém a produção de leite das glândulas mamárias
Renina e angiotensina
Rins
Controlam a pressão arterial
Hormônio tireoidiano
Tireóide
Regula o crescimento, a maturação e a velocidade do metabolismo
Hormônio estimulante da tireóide
Hipófise
Estimula a produção e a secreção de hormônios pela tireóide

Patologias Relacionadas ao Sistema Endócrino

DOENÇAS DA TIREÓIDE:

Hipertireioidismo

Na maioria dos pacientes com Hipertireoidismo, o tamanho da tireóide aumenta de duas a três vezes acima do normal, com enorme hiperplasia, de modo que o número de células aumenta amplamente. Além disso, cada célula aumenta sua taxa de secreção em muitas vezes.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 166 outros seguidores